sábado, 4 de junho de 2016

O Mosquito 1047

O Mosquito 1047 Ano XIV
Autor(es): Vários
Editora: Raul Correia
ISBN: n.d.
Data: 6 de Julho de 1949
Páginas: 8



Neste número a revista apresenta histórias de Tommy, o rapaz do Circo, Príncipe Valente, Falcão Negro entre outros.

A revista O Mosquito surgiu em concorrência com revistas do mesmo género da mesma altura: a revista Bom-bom, O Senhor Doutor, a Revista do sapo e O Papagaio. Nessa época este género de publicações era uma das formas mais populares de entretenimento da juventude portuguesa.

O nº 1 desta revista surge a 14 de janeiro de 1936 tendo sido um sucesso de vendas desde o inicio, chegando a ter uma tiragem de 40.000 exemplares por número (quando era bissemanal, imprimindo assim uns 80.000 exemplares por semana) e continha uma inovação pois trazia uma separata em miniatura, dedicada às meninas, chamada “A Formiga”, com a Anita Pequenita.

O sucesso foi de tal forma que a revista com periodicidade semanal até ao nº360 passou, a partir de 9 de Dezembro de 1942 com nº361 a ser bissemanal, com saída às quartas-feiras e aos sábados.

Uma das razões deste sucesso era o seu preço acessível comparado com os das revistas congéneres. 

"Em 1936, o Mickey custava, 1$50 (um escudo e cinquenta centavos) o equivalente, na moeda actual, a menos de um cêntimo, enquanto O Senhor Doutor, o Tic-Tac e O Papagaio custavam 1$00 (um escudo), O Mosquito ficava-se pelos 50 centavos (ou cinco tostões, como aparecia escrito na capa).

Por outro lado, a qualidade dos autores estrangeiros, como os ingleses Colin Merritt, Reg Perrott, Roy Wilson, Percy Cocking, Walter Booth, os espanhóis Angel Puigmiquel, Arnal, Arturo Moreno, Emilio Freixas, Jesús Blasco, Adriano Blasco, Alejandro Blasco, Pili Blasco, os americanos Darrel McClure, Harold Foster, John Lehti, os franceses Gigi, Marijac, Paul Gillon, e tantos outros, criavam um grande interesse e procura da revista.

Entre os artistas portugueses presentes na publicação contam-se: Tiotónio (António Cardoso Lopes), um dos seus fundadores e criador das figuras de Zé Pacóvio e Grilinho, Eduardo Teixeira Coelho (E.T.Coelho, ou ETC) que ficou indelevelmente ligado à memória de O Mosquito, tendo o seu estilo marcado a revista, com os vários cabeçalhos e como com as ilustrações para as capas e novelas, bem com as suas bandas desenhadas, com destaque para O Caminho do Oriente, Jayme Cortez, Vítor Péon, José Garcês e José Ruy.

O Mosquito foi uma revista que exerceu um fascínio tal sobre os seus leitores que ainda hoje continua a ser recordada, tendo havido numerosos artigos e diversos livros sobre a publicação.


Teve várias tentativas de republicação nas décadas seguintes, mas nenhuma teve o sucesso da primeira série." in Wikipédia